quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Escuridão

Olho-te,
E de repente,
É como se te escrevesse,
Como se te pintasse sem usar uma única cor,
Como se a caneta deslizasse sobre o papel e fosses todas as palavras que algum dia poderiam ser escritas.

Quando te olho,
Escrevo-te,
E quando te escrevo é impossível parar de te olhar.

Sei que estás aí,
sei que não escondes porque não te sabes esconder,
que não mentes porque não te sabes mentir,
que não sorris, porque nunca te soubeste sorrir.

Para sermos para os outros, precisamos de ser primeiro para nós.
Para me escreveres, tens de escrever-te por dentro,
Ouviste?

Tens de te olhar.
Tens de te olhar e acabar com a certeza de que nunca te conhecerás ao certo.
De que nunca saberás quem és e nunca poderás saber quem sou.

Somos textos escritos e apenas isso nos define,
Depois das palavras,
Apenas uma coisa existe:
A escuridão.

Tu sabes e eu sei.

Isa Mestre

5 comentários:

Valter Ego disse...

O que eu sei é que voltarei mais vezes...:)

lol disse...

um dia ainda escolho eu as notas da minha turma

ja foi o dia xD

Anónimo disse...

um dia ainda se perde a vergonha e se diz as coisas na cara. ainda nao foi o dia.

Pedro Rodrigues disse...

Isa... Eu adoro os teus poemas... Sempre que aqui venho me surpreendes... Ler o que tu escreves, do modo como o escreves... A perfeição existe, li-a aqui. =)

Pedro Rodrigues disse...

PS - Lê o Entrei. Confronta-os... Diálogo?...

 
Contador de visitas gratuito - WebPost Contador!