quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

Bala Perdida

Chamo-te,
E chamar-te não é suficiente,
amo-te,
e eu sei que amar-te não basta,
beijo-te,
e a essência dos teus lábios…

a essência dos teus lábios
perde-se, morre, mata.

Onde estás?
Onde estás bala perdida?

Vagabundo pelas ruas,
solitário de mãos vazias.
Quem és tu?
Quem eras tu antes de ser
o que fere, o que rouba, o que mata?

Quem?

Guilherme,
dissera tua mãe.
Bala perdida,
assim te chamavam.

Bala perdida.
Rouba, foge, mata,
Um dia destes morre,
disseram-te.

Guilherme.
Foge, foge, foge.
Porque a dor dos dias tristes dói bem mais que o desejo de fuga.

5 comentários:

Eu... disse...

eh eh sou o primeiro a comentar este blog de outro mundo!
gostei bastante...mas os dois tao mt...poeticos lool!
gostei bastante sabia? :P
parabens e kiz big!

..:: Desert Eagle ::.. disse...

Com que então a menina não tinha assim muito jeito para a poesia, ahm?????? Anda-me a enganar, e'?? Este poema está brutal! o.O

:clap, clap, clap: ^.^*****

Conceição Bernardino disse...

Olá,
“ Somos a ponte para a eternidade,
Formando um arco sobre o mar,
Procurando aventuras para nosso regozijo,
Vivendo mistérios, optando por calamidades,
Triunfos, desafios, apostas impossíveis,
Pondo-nos à prova uma e outra vez,
Aprendendo amar.”
Excerto de “Richard Bach”

É com esta força que renasço todos os dias, para continuar a minha caminhada...
Espero que gostem deste pequeno presente.
Beijinhos, que a escrita nos una!
Conceição Bernardino
25-02-07
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

Conceição Bernardino disse...

Olá,
“Não quero honras.
Não pretendo ser líder.
Quero apenas partilhar o que encontrei
E mostrar esses novos horizontes”
Texto escrito por Fernão Capelo Gaivota

Como podemos nós suportar tanta miséria à nossa volta, sinto-me impotente, escrevo para minimizar a dor destes inocentes. Mas será que consigo?
Conceição Bernardino
Beijinhos
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

Ana Pacheco disse...

Olá, Isa.

Venho dar-te os parabéns pela tua veia poética. De facto, tenho que reconhecer o teu mérito, uma vez que escreves muito bem, mesmo. Fiquei encantada e muito bem impressionada com estes dois poemas. Continua! Nunca desistas de escrever, porque não devemos desprezar os dons que nos foram concedidos, especialmente este, o da palavra, tão poderoso e necessário no mundo de hoje.

Fico à espera de mais obras de arte! ;-)

Até à próxima.

 
Contador de visitas gratuito - WebPost Contador!